sábado, 31 de março de 2012

O julgamento de Bérgson

Caminhou até o local que lhe haviam reservado, a cadeira dos réus. No caminho todos lhe olhavam passar, atentos e curiosos. Bem possível que tentando descobrir nos olhos do réu algum arrependimento ou sinal de loucura.

Bérgson era baixo, magro e aparentava ter décadas a mais do que sua idade real. Seu cabelo era negro e ralo, seu rosto extremamente magro, ora chegava a ser cadavérico, outrora causava pena. Seu andar era lento e torpe, os membros se moviam de forma incerta, mas seus olhos, estes permaneciam fixos em um ponto, sem titubear.

Quando o juiz iniciou a leitura do processo e começou a narrar os crimes, uma senhora desmaiou e uma garota gritou e chorou tanto que teve que ser retirada do recinto. Mesmo diante de toda essa movimentação, o olhar de Bérgson era sereno e ninguém entendia como era possível.

Todos silenciaram quanto chegou à hora do réu se pronunciar e poucas perguntas lhe nortearam a fala. Bérgson falou livremente, sem que alguém ousasse lhe interromper, e quando iniciou seu relato todos ficaram surpresos pela fala clara e rebuscada.


Eu queria ter uma história bem triste para contar. Falar que fui abusado, ofendido, humilhado, alegar que perdi todos que amava ou que o sistema me oprimiu. Mas não é o caso. O fato é que tive uma vida medíocre, apequenada, uma vida mais ou menos como a maior parte da população.

Trabalhei anos em uma mesma indústria, apertando os mesmos parafusos doze horas por dia. Nos dias de folga nunca tinha o que fazer ou com quem fazer. Consumia aquele dia livre da semana em frente à televisão vendo programas que não me interessavam. Ao final do mês, o valor ganho era quase que integralmente usado para pagar o aluguel de um miserável quarto onde eu dormia. Quando conseguia juntar um pouco de dinheiro eu ia até as mulheres da vida e de três em três meses tinha uma noite de prazer.

Que fique claro! Toda essa falácia não é justificativa, é uma história... Eu me esforcei, de verdade, para ser como tantos outros. Agradecer pelo pouco da vida, buscar um lado bom, ficar feliz ao menos durante o carnaval. Meus pais não foram bem sucedidos na tarefa de me convencerem sobre Deus. Para mim a vida sempre foi enfadonha. A verdade é que vivi pacífico porque ignorava minha própria existência. No entanto, chegou o tempo em que ela me incomodou. Eu já não suportava ser eu mesmo, viver minha própria vida. Foi quando quis deixar de ser previsível. Depois disso tudo foi como um acordar ou eterno dormir.

A primeira vez foi na fábrica. Recordo-me que meu supervisor me chamou à atenção por não usar os fones de ouvido. Lembro-me que fiquei estremecido, mas nada fiz na hora da bronca. Eu sabia o horário em que o Tiburtino tomava banho antes de largar o expediente e também sabia que naquele horário quase ninguém descia até o local. Não houve medo, fiquei gélido e tudo foi tão banal como ir comprar pão na padaria da esquina. Voltei depois ao meu posto, cumpri meu horário como um bom profissional e retornei para minha casa. Não me sentia justificado, menos ainda arrependido, talvez um pouco mais leve ou na verdade indiferente.

Dois meses depois foi com Dulcinéia. Nesse dia eu paguei adiantado, o que não era comum, na maioria das vezes eu pendurava por alguns dias. Quando nos deitamos ela fez uma porção de exigências. Ingênua a Dulcinéia, ela não sabia que naquela noite eu queria tudo e tive tudo que queria, mas como ela estava tão indisposta, veio-me uma ideia de lhe calar e eu a calei.

No geral, depois de tudo que acontecia eu não pensava mais no assunto. Horas depois eu não reconhecia nenhuma ação como sendo minha. Tudo corria tão normal e ouso dizer que as coisas ficavam melhor que antes, como um trabalho comprido... sabe?

A terceira vez foi a que me perturbou um pouco...

Parou subitamente a narração e perceberam que ele tinha cede. Deram-lhe água e Bérgson retomou exatamente de onde interrompeu.

Não sei se me perturbou porque foi com uma criança, ou se foi porque tinha muitas pessoas próximas. A menina brincava em uma pequena praça próxima ao meu trabalho. Eu estava na hora do almoço e sentei em um dos bancos para descansar. Essa garotinha brincava na areia... Ela me tacou algumas pedras. No começo eu não liguei, mas depois a sua risada me irritou extremamente e eu lembrei dos meus irmãos. Eu mudei de lugar, sentei em outro banco, mas ela veio atrás de mim. Onde estava a mãe daquela menina? Fiquei impaciente e me distanciei mais e mais até um local onde guardavam bicicletas e a nojenta veio atrás de mim. Tudo foi tão rápido. Quando sai, eu ouvi a mãe chamando por ela.

Aquela risada, a voz da mãe lhe chamando, tudo isso ficou girando dias na minha cabeça e foi quando entendi que só conseguiria esquecer se acontecesse de novo. A fábrica era um local propício para acidentes, mas tinha tanta gente trabalhando no galpão. Eu tinha que pensar em outra coisa.  Não queria que tudo acontecesse sem critério, ao acaso como antes. Eu criei uma regra, diretrizes de merecimento...

A promotoria saiu do transe em que estava ao acompanhar a narrativa e questionou:
- o que você narra Sr. Bérgson aconteceu há cinco anos, o senhor está dizendo que desde então aplica essa sua regra do horror para ceifar vidas?

Faz cinco anos? O tempo correu e eu nem dei por mim... O que sei é que depois conheci tantas outras pessoas. A fábrica prosperou e eu fui promovido, minha vida progrediu. Mas minha prática já havia se tornado vício. Pude continuar com mais requinte, sem força bruta, conheci alguns tóxicos. Agora sim havia excitação, deixei de ser gélido, fiquei mais criativo e tudo era mais bem pensado.

- Dessa forma que o senhor foi promovido novamente? 

Algumas coisas na minha vida eu tive que antecipar. Às vezes o tempo se arrasta e nossas necessidades exigem pressa.

- Todo seu texto é confissão Sr. Bérgson! E como explicar que para cada situação o senhor tem um álibi? Para cada fato apareceu alguém para afirmar que no dia e horário o senhor não estava no local. O Senhor está protegendo alguém ou é pura loucura?!

Bérgson sorriu e não se pronunciou mais. Nunca mais. Não respondeu mais nenhuma pergunta e na mesma noite da condenação suicidou-se na prisão, ou foi assassinado como muitos atestam. O fato é que nos exames psicológicos nada foi identificado. Um homem normal e cruel como tantos outros.



IMAGEM:http://4.bp.blogspot.com/_UVmKrPs-l40/TVJu2lk65aI/AAAAAAAAAGQ/5Ebay7z85Qo/s1600/julgamento.jpg
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Vai comentar?

Escreva algo construtivo, mostre que tem algo a contribuir!

Reclamações, dúvidas ou sugestões também são bem vindas...

Agradeço a colaboração